O dia seguinte

É nítido que o setor se fortaleceu, ou pelo menos parte dele.

É certo que uma fração do mercado, pensa que não tem como acompanhar os passos das mudanças, ou delas se defender, e irá trocar de mãos.

Quando o volume de informação, é maior e mais pesado que o peso do corpo, que sustenta a cabeça que as processa, a cabeça enverga. É ainda nestes casos possível ver o ceu, mas não se consegue ver para onde tá indo.

Meu amor pelo que faço me fez chegar a pensar que ninguém queria sair do setor. Hoje já vejo como necessário o afastamento daqueles que já não tem o sangue de dragão no corpo.

Este vai ser um bom ano para aqueles que levantarem a cabeça antes de darem o primeiro passo para o futuro.  Para tirar o peso extra é preciso quebrar o paradigma de se medir o próprio sucesso, com base no sucesso dos outros. Cada um tem o tamanho que lhe cabe, de pouco em pouco, com muito trabalho, sempre caberá um pouco mais. Aceitar isto é o primeiro passo para ser feliz/realizado.

Todas as decisões cobrarão seu preço.

Será, de qualquer forma, preciso viver o dia seguinte.

Lourival Panhozzi

Diretor Funerário

Be the first to comment on "O dia seguinte"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*