Aplicativo facilita registro de óbito em Goiânia

A Prefeitura de Goiânia, em parceria com a Corregedoria Geral de Justiça,  lançou no final de dezembro de 2016, um aplicativo de Sistemas de Óbitos (Sisob)

O aplicativo é um software que visa facilitar e informatizar os trâmites das famílias enlutadas. O sistema, que é pioneiro em Goiânia, promete revolucionar toda cadeia funerária.

O aplicativo vai permitir integrar as ações de todos prestadores de serviços da cadeia funerária,.

Segundo a assessoria de imprensa do Semas – Secretaria Municipal de Assistência Social – não é um aplicativo que a família baixa no celular. “Trata-se de um software que coordena os cartórios. Essa ferramenta alimenta o sistema funerário para atender melhor as famílias enlutadas”.

O software ficou 4 anos em desenvolvimento e testes, antes de ser aplicado em Goiania.

Antes e Depois

Antes do software, quando um ente querido falecia, as famílias precisavam de cerca de quatro horas e meia até poder sepultar ou cremar a pessoa em óbito. O processo se inicia com os médicos ou legistas emitindo a declaração de óbito. A família tinha então que ir até o cartório (presencial) pegar a certidão; depois se dirigir até o Semas para processar o cadastro de óbito; depois ir até a funerária; emitir as taxas da prefeitura na loteria esportiva presencialmente; depois tomar providencias para arrumar o corpo e escolher o velório, para, enfim, procurar o cemitério ou crematório.

Atualmente, o software permite que os profissionais do sistema funerário tenham interface com toda a cadeia. O processo ficou mais ágil e funciona da seguinte forma:  médicos ou legistas emitem a declaração de óbito (da forma tradicional). A família, de posse deste documento, dirige-se a Semas, para que seja feito o cadastro de óbito. Depois disto, tudo está informatizado e a família não precisa mais peregrinar de um local ao outro.

Após alimentar o cadastro, o sistema emite um protocolo com os dados da pessoa falecida e aponta qual funerária irá fazer o serviço, caso não haja um plano. A família irá até a funerária, que vai preparar tudo, como clínica de preparação de corpos, sala de velório, cemitério ou crematório.

De acordo com assessoria, as certidões de óbito continuam sendo registradas pelo cartório. Este documento serve como segunda via para garantir os trâmites judiciais e tratados de bens da família.

 

Melhorias – O Sisob Goiânia é auditável em qualquer momento do dia e da noite. São emitidos relatórios para cada profissional que alimentou o sistema através do CPF, de uma forma controlada e segura.

Segundo a assessoria, o sistema oferece agilidade e segurança, para os gestores públicos, para os empresários que tem permissão de uso e sobretudo, para as famílias enlutadas.

Além disso, o novo procedimento promete acabar com as funerárias clandestinas. De acordo com a assessoria, não é mais possível captar famílias na UTI dos hospitais. Para explorar os serviços de póstumos é preciso ter uma permissão exploratória. No Estado são 14 funerárias com essa permissão. As clandestinas não pagam impostos e oferecem serviços ruins às famílias.

O Software inibe essa prática, pois funciona de forma digital. Após o cadastro de óbito, na hora de alimentar o sistema é emitido um protocolo com o nome da funerária que vai fazer o serviço, não é mais preciso ir até o local.

A secretária de Assistência Social destacou a importância da implantação desse sistema para todo o setor regulado e para a população. “O Sisob é um sistema informatizado, criado com o objetivo de atender com excelência a família enlutada”, diz a gestora, destacando que a implantação do sistema agilizará o acesso às informações e as tornará mais confiáveis.

O Sisob será administrado e gerenciado pela Gerência dos Cemitérios e Central de Óbitos e alimentado também pelos empreendedores do sistema funerário, cemitérios e Serviços de Verificação de Óbitos ( SVO), e em breve pelos cartórios civis por meio do Tribunal de Justiça pela Corregedoria-Geral da Justiça do Estado de Goiás (CGJGO).

Na Rússia funeral poderá ser contratado por smartphones

 Num mundo em que tudo existe à distância de um clique ou de uma aplicação para smartphone, um grupo de russos encontrou uma oportunidade de negócio.

O lançamento acontecerá nos próximos meses. Trata-se de um serviço on line, que permitirá a escolha do funeral de um ente querido em apenas alguns toques no celular.

Para iniciar o pedido do serviço funerário no aplicativo basta inserir o nome do falecido, a data do óbito, a confissão religiosa e o endereço. Depois, surgem variadas opções relacionadas com o cemitério, padres, e o preço das exéquias fúnebres. O app, inicialmente chamado de “Umer” permite ainda escolher entre cremação ou sepultamento, assim como a lápide funerária e as respectivas inscrições.

A startup, que pretende revolucionar o negócio funerário na Rússia, explica que “Umer” quer dizer está morto. 

  Fonte: Diário de Goiás

Data original:
Fonte da notícia:

Seja o primeiro a comentar em "Aplicativo facilita registro de óbito em Goiânia"

Deixe um comentario