O dia que Benedito ficou em silêncio.

O dia em que Benedito ficou em silêncio.

O cemitério ficou todo florido, eram centenas de coroas em sua homenagem, a cidade ficou calada, cadeiras foram colocadas na rua e até os relógios pararam. Ele era de todos conhecido, por todos amado.

Com o cortejo em curso, surgiu no céu um pequeno avião, insistia ele em abrir passagem e com seus rasantes, mostrava o caminho, como que dizendo: É para o céu, é para o céu que devem levá-lo.
E ele foi. Seguiu rumo ao céu, deixando ali uma última lembrança de sua passagem neste plano, guardada em uma sepultura, vigiada por todos nós até o seu fechamento.

Assim meus olhos enxergaram hoje as homenagens ao Benedito, ninguém mais que o Dito. Simplesmente o mais querido dos fabricantes de ataúde do Brasil.

No encerramento nosso setor o homenageou, com poucas palavras mas muito sentimento, lembrando porque Dito estava em silêncio. Lembrando a lenda indígena que diz:

“Se você se sentar à beira do amanhecer, o sol nascerá para você.
Se você se sentar à beira da noite, as estrelas brilharão para você.
Se você se sentar as margens de um rio, o rouxinol cantará para você.
Se você se sentar à beira do silêncio, Deus falará com você.”

Dito estava no mais completo silêncio, nós lá no cemiterio também ficamos por uns instantes, alguns até puderam ouvir ou sentir o que Deus lhe dizia, dizia Ele a Benedito: Filho acalme-se, você agora está comigo.

É nisto que acredito. É isto que hoje vivi e vi.

Lourival Panhozzi

Data original: