Funerárias na linha de frente da guerra às drogas nas Filipinas

Alejandro Ormeneta trabalha em uma funerária de Manila, uma cidade na linha de frente da guerra contra as drogas que ensanguenta as Filipinas. Ele nunca teve tanto trabalho como nos últimos cinco meses, mas pede apenas uma coisa: que as chacinas acabem.

Todas as noites, Ormeneta recolhe uma média de cinco corpos, em sua maioria nos bairros pobres dos subúrbios. Uma rotina macabra que o faz questionar a campanha de repressão contra o crime empreendida pelo presidente.

Ele lembra ter extraído três pregos grandes do crânio de um suposto narcotraficante. “Creio que ainda estava vivo quando enfiaram os pregos em sua cabeça. Deve ter doído muito”.

A droga da vez nas ruas de Manila é o ‘shabu’, um tipo de metanfetamina a bom preço, substância que o presidente acusa de destruir a sociedade. O governo lançou uma campanha, conhecida como Tokhang, com intuito de fazer os traficantes e consumidores largarem suas atividades criminais ou modificarem seus hábitos.

O atual presidente venceu as eleições anunciando uma guerra contra as drogas, que causaria dezenas de milhares de vítimas. Durante a campanha brincou dizendo que as agências funerárias não parariam de trabalhar.

Cumpriu sua palavra. A polícia matou mais de 2.000 pessoas e outras 3.000 morreram nas mãos de desconhecidos, o que os faz temer assassinatos extrajudiciais em grande escala.

As coisas não parecem que irão mudar, mas o dirigente do páis declarou recentemente que se sentia “feliz em massacrar” os três milhões de dependentes químicos.

Essa política suscita fortes críticas, tanto no arquipélago como no exterior, mas as pesquisas mostram que os filipinos apoiam a cruzada presidencial.

Ainda que estejam muito ocupados, os sepultadores não cobram obrigatoriamente pelo pagamento do funeral, pois muitas famílias não têm condições pagá-lo.

O funeral em Manila custa em torno de 62.000 pesos (cerca de 4 mil reais) e as famílias mendigam às vezes nos cemitérios para conseguir objetos funerários gratuitos.

Algumas famílias não reclamam os corpos porque são muito pobres ou têm medo. Aguardam dois ou três meses e logo os sepultadores os enterram de graça.

“É triste. Morrem e ninguém vem buscá-los”, disse Ormeneta, mostrando os cadáveres do necrotério.

Seu setor não se salva da corrupção: alguns policiais exigem um pagamento em dinheiro para informar às empresas dos falecimentos.

 

Fonte: Terra Noticias

 

 

 

Data original:
Fonte da notícia:

Seja o primeiro a comentar em "Funerárias na linha de frente da guerra às drogas nas Filipinas"

Deixe um comentario